BCN 

VÍDEO mostra mulher sendo arrastada por ondas nas pedras da Praia da Fortaleza em Ubatuba, SP

Compartilhar

Priscila estava em um costeira na Praia da Fortaleza com alguns amigos, quando uma onda a arrastou. Ele teve ferimentos nos pés, cotovelos e quadril. Jovem fica ferida após ser arrastada por ondas nas pedras em Ubatuba, SP
Uma mulher ficou ferida após ser arrastada por ondas em uma área costeira da Praia de Fortaleza em Ubatuba, no litoral Norte de São Paulo. Ela estava com amigos no local e gravou o acidente1(veja acima).
A paulistana Priscila Pereira, que está morando em Ubatuba, foi com outros três amigos na região costeira no último dia 21. Segundo ela, desta vez, o mar estava agitado e as ondas estavam quebrando com muito mais força do que o normal.
“Meu amigo falou sobre o tamanho das ondas. Aí eu falei que achava que ia chegar até o local onde estávamos, mas, quando disse isso, achei que seriam só os respingos da água. Não achei que viria com o volume de água que veio”, disse a jovem, em entrevista ao Link Vanguarda.
Bombeiro alerta para o perigo de andar na região costeira em Ubatuba
Uma dessas ondas acabou arrastando Priscila pelas pedras. Ela teve ferimentos nos pés, cotovelos e também no quadril. A jovem disse que conseguiu se segurar nas pedras, antes de ser arrastada para o mar.
“Eu caí e fui sendo arrastada. Um amigo meu gritou e pediu para eu segurar. Como veio muita água no meu rosto, achei que eu estava me afogando. Aí, eu vi que tinha uma chance ainda. Tentei me apoiar em uma pedra. Forcei com a mão para me segurar e consegui (…) Fiquei imaginando se fosse uma criança. Ela não teria a mesma sorte que eu”, afirmou.
No local, não há sinalização alertando sobre o perigo. O grupo seguiu uma trilha e acabou sendo pego de surpresa pela força da água.
“Fiquei imaginando uma família visitando o local, com crianças e tudo mais e correndo o risco que corremos”, disse Priscila.
Bombeiros alertam para os riscos
Procurada pelo Link Vanguarda, Érica Ramalho, tenente do Corpo de Bombeiros, alertou sobre os riscos em áreas costeiras.
“Para ter uma noção, no estado de São Paulo, a variação da maré pode chegar até um metro e meio, ou seja, um metro e meio a mais no tamanho da ondulação. Quando ela vem com força e bate na costeira, ela sobe o dobro. Pode chegar a até 3 metros de altura”, afirmou.
“É um lugar muito lindo para tirar foto. Porém, essas pessoas não se atentam às condições da maré. Tem que saber andar na pedra, tem que saber que tem locais que cortam o pé e também tem que saber que dá para torcer o pé, se pisar em falso. Temos que atender essas ocorrências, que muitas vezes tem que, inclusive, acionar o Águia, por conta da dificuldade de acesso do local”, completou.
Veja mais notícias do Vale do Paraíba e região bragantina

Compartilhar

You May Also Like

Deixe uma resposta