Governo de SP quer contratar 500 mil pessoas para trabalharem em escolas e outros equipamentos por R$ 500 durante pandemia

Compartilhar


Pessoas em situação de vulnerabilidade social devem trabalhar por 4 horas diárias em troca de auxílio. Fachada da Escola Estadual José Barbosa de Almeida, no Morro Grande, na Zona Norte de São Paulo
Reprodução Google
O governo de São Paulo vai oferecer uma bolsa-auxílio no valor de R$ 500 mensais em troca de 4 horas de trabalho por dia para pessoas em situação de vulnerabilidade social durante a pandemia de Covid-19. O programa foi batizado de Bolsa do Povo.
No entanto, para o projeto sair do papel, deve ser aprovado pelos deputados estaduais. O orçamento previsto é de R$ 1 bilhão até o fim do ano.
“O governo do estado está apresentando um auxílio para população mais vulnerável do estado. Estamos encaminhando para a Assembleia Legislativa”, afirmou o secretário de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi.
Cerca de 500 mil pessoas devem ser contratadas para atuar em vários setores como nas áreas de educação, esporte, cultura, economia criativa, entre outras.
“Na área de educação, o governo deve contratar pais e mães de alunos, são 20 mil [ao todo] para trabalhar em escolas públicas”. Eles devem atuar na zeladoria das unidades de ensino onde estudam seus filhos.
Para receber o valor, os interessados devem trabalhar 20 horas por semana, de segunda a sexta-feira.
Os detalhes e requisitos de quem pode se cadastrar para concorrer a uma vaga serão detalhados durante coletiva de imprensa na tarde desta quarta-feira (7).
Fase emergencial
Uma reunião entre o Centro de Contingência do Coronavírus e integrantes do governo do estado marcada para quinta-feira (8) vai analisar os dados a evolução da pandemia e definir se o estado permanece na fase emergencial, a mais restritiva da quarentena, ou se retorna para a fase vermelha do Plano São Paulo. O anúncio será realizado na sexta-feira (9).
Nesta terça-feira (6), o estado de São Paulo bateu um novo recorde de mortes provocadas pela Covid-19 com 1.389 registros em 24 horas.
“Nós vamos ter uma reunião ainda amanhã. O Centro de Contingência está fazendo a análise e nós vamos ter uma reunião com os dados, ainda amanhã, com os dados de hoje, e a gente está avaliando essa evolução. E daí na sexta fazer o anúncio se prorroga ou se nós vamos ter outra fase”, disse Vinholi.

Compartilhar

Deixe uma resposta