Filho fala sobre morte de pai e mãe por Covid em intervalo de 1 hora: ‘Parece que Deus programou para eles irem juntos’

7 de abril de 2021 0 Por
Compartilhar


Aristeu Marquesim, de 69 anos, e Sheila Maria Marquesim, de 64 anos, eram casados havia 45 anos e morreram na manhã de segunda-feira (5), no Hospital Unimed. Casal fundou uma adega em Jundiaí (SP) em 2000 e era apaixonado por vinho. Aristeu e Sheila estavam casados havia 45 anos e morreram de Covid-19 em intervalo de uma hora
Arquivo pessoal
O amor cultivado em 45 anos de casamento deixará fortes lembranças para a família de um casal de Jundiaí (SP) que morreu de Covid-19 em um intervalo de uma hora, na segunda-feira (5).
Aristeu Marquesim, de 69 anos, e Sheila Marquesim, de 64, estavam internados desde o dia 21 de fevereiro na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Unimed Jundiaí e não resistiram às complicações da doença.
O casal mantinha a paixão pela vida pacata no sítio e também pelos vinhos, tendo fundado uma adega na cidade em 2000. A história de amor entre Aristeu e Sheila deixou a vida que conhecemos e se tornou eterna no intervalo entre 7h e 8h do dia 5 de abril.
O filho deles, Evandro Marquesim, relatou ao G1, direto da enfermaria do hospital, que a Covid-19 infectou toda a família.
“A minha irmã e eu ficamos internados. Ela já teve alta e eu ainda estou na enfermaria me recuperando. Minha esposa e o cunhado também foram infectados, mas não precisaram de internação. Já os meus pais infelizmente faleceram”, explica.
Aristeu apresentou melhora e foi extubado, mas morreu por conta de um coágulo de sangue da infecção por Covid-19.
Aristeu apresentou melhora no quadro de saúde e chegou a ser extubado após dois dias internado, enquanto Sheila ficou com os rins comprometidos e não apresentou melhora no tratamento, o que levou os órgãos a falência. Evandro explica que uma complicação da Covid-19 acabou por abreviar a vida de seu pai, quase ao mesmo tempo da mãe.
“O meu pai melhorou e estava se recuperando bem, fizemos até um vídeo com ele no quarto. Porém, surgiu um coágulo de sangue entre o rim e o intestino, que foi uma complicação do vírus. Este coágulo aumentou de tamanho e passou a apertar os órgãos dele. Foi marcada a cirurgia para remoção, mas não deu tempo e o coágulo de sangue acabou estourando e infeccionando os órgãos. Parece que Deus programou para ele irem juntos”, lamenta.
O casal foi sepultado na terça-feira (6), no Cemitério Nossa Senhora do Montenegro, em Jundiaí. Por ainda estar na enfermaria finalizando o tratamento de recuperação do coronavírus, Evandro não conseguiu se despedir dos pais, mas manterá a adega da família em atividade para recordar a paixão dos pais pelo vinho e o sítio no bairro Caxambu, onde a família passou os melhores momentos da vida.
“Não consegui me despedir deles, mas eles ficarão para sempre no meu coração. Lembrarei deles quando vir os pés de uvas lá do sítio, vou lembrar da minha mãe quando entrar na casa e vir os pertences dela. Isso que vai ficar de lembrança. A adega foi o sonho do meu pai e da minha mãe que virou realidade e eu vou continuar para que eles possam se orgulhar, de onde eles estiverem.”
“Foi uma história linda. Eles sempre estiveram presentes e preocupados comigo e com a nossa família. No sítio, onde quer que eu estivesse mexendo com os vinhos, o meu pai se aproximava e perguntava como estava o cultivo. Lá, fazíamos a colheita, moíamos as uvas e fazíamos os vinhos. Os meus pais sempre estiveram comigo em todos os momentos”, finaliza.
Casal de Jundiaí morre de Covid-19 em intervalo de uma hora
VÍDEOS: veja as reportagens do Bom Dia Cidade e do TEM Notícias de Sorocaba e Jundiaí
*Colaborou sob supervisão de Ana Paula Yabiku
Veja mais notícias da região no G1 Sorocaba e Jundiaí

Compartilhar