Cerca de 2,8 mil trabalhadores dos hospitais estaduais do Alto Tietê foram afastados por causa da Covid-19 desde o início da pandemia

3 de abril de 2021 0 Por
Compartilhar


O número representa 66% do quadro total de colaboradores, entre profissionais da saúde e outros funcionários. Informação foi divulgada pela Secretaria Estadual da Saúde. Profissionais de saúde e outros funcionários dos hospitais estaduais do Alto Tietê precisaram ser afastados por causa da doença
Jefferson Bernardes/AP
Até março de 2021, mais de 2,8 mil trabalhadores dos hospitais estaduais do Alto Tietê precisaram ser afastados por causa da Covid-19. O número, que inclui casos suspeitos e confirmados da doença desde o início da pandemia, representa 66% do quadro total de colaboradores.
A informação é da Secretaria Estadual da Saúde e inclui profissionais da área, como médicos e enfermeiros, além de outros funcionários, dos hospitais Luzia de Pinho Melo, em Mogi das Cruzes, Santa Marcelina, em Itaquaquecetuba, e Regional de Ferraz de Vasconcelos.
MÉDIA MÓVEL: veja em que estados as mortes estão subindo, em estabilidade ou em queda
Março termina com três vezes mais mortes do que média do primeiro ano de pandemia no Alto Tietê
Segundo a pasta, ao longo dos primeiros 12 meses da pandemia, as três unidades também perderam oito profissionais em virtude do agravamento da doença. Em respeito às vítimas e familiares, os locais de trabalho não foram divulgados.
“A Secretaria de Estado da Saúde se solidariza com as famílias destes e de todos trabalhadores de saúde e as demais vítimas do coronavírus do Estado de São Paulo e do Brasil”, informou em nota.
Luzia de Pinho Melo
Hospital Luzia de Pinho Melo, em Mogi das Cruzes
Vinícius Silva/TV Diário
Ao todo, o Hospital das Clínicas Luzia de Pinho Melo possui 1.952 profissionais. Desde o início da pandemia, 1.275 precisaram ser afastados por confirmação ou suspeita da doença. Até quarta-feira (31), cinco ainda estavam em cuidado domiciliar.
Santa Marcelina
Hospital Santa Marcelina, em Itaquaquecetuba
Alessandro Batata/TV Diário
No Hospital Geral Santa Marcelina são 1.317 colaboradores ativos, entre médicos e outros funcionários. O número de afastamentos, ao longo da pandemia, chega a 843, sendo que cinco profissionais permanecem em recuperação para voltar às atividades.
Regional de Ferraz
Hospital Regional de Ferraz de Vasconcelos
Vinícius Silva/TV Diário
Por sua vez, o Hospital Regional de Ferraz de Vasconcelos conta com 1.076 colaboradores. Em todo o período de pandemia, 757 foram afastados por suspeita ou confirmação. Oito permanecem em recuperação, de acordo com a Secretaria.
Medidas contra o coronavírus
Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, profissionais da linha de frente já foram vacinados contra a Covid-19 no Alto Tietê
Ascom/Sesau
A Secretaria Estadual afirma que os profissionais de saúde das três unidades, sobretudo os que atuam na linha de frente do atendimento aos casos do novo coronavírus, já receberam vacinas conforme previsto no Programa Estadual de Imunização (PEI) e no Programa Nacional de Imunizações (PNI)
Também destaca que reforçou a proteção a estas equipes, que contam também com Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e atendimento nas próprias unidades onde atuam ou em qualquer serviço do Sistema Único de Saúde (SUS), quando necessário.
“Seguindo o protocolo de assistência e de segurança das equipes, qualquer profissional com suspeita da doença é temporária, preventiva e prontamente afastado, para recuperação de sua saúde e prevenção dos demais”, completou a pasta.
Evolução da pandemia no Brasil

Compartilhar