Consumo de oxigênio em UPA durante 24 horas é o equivalente ao de um mês, diz prefeito de Ourinhos

Compartilhar


Pacientes tiveram de ser transferidos às pressas da unidade na terça-feira (30) devido ao risco de falta de cilindros do produto. Prefeitura vai mudar o atendimento dos casos de Covid na cidade deixando a Unidade de Pronto-atendimento para outras doenças. UPA de Ourinhos passou atender só casos de Covid neste mês
Reprodução/ TV Tem
Desde o começo de março, a Unidade de Pronto-atendimento de Ourinhos estava fazendo atendimento exclusivo para casos de Covid-19 e nesta terça-feira (30) 15 dos 30 pacientes que estavam internados no local tiveram que ser transferidos às presas devido ao risco de falta de oxigênio.
A demanda pelo produto tem sido tanta que, segundo o prefeito Lucas Pocay, em um único dia foi consumido o oxigênio que era previsto para o mês inteiro.
“Tivemos uma grande ocupação, 30 pessoas internadas que precisam começar a ser transferidas para que a UPA possa voltar a atender as outras enfermidades e com essa quantidade de pessoas houve um consumo muito alto de oxigênio. Em 24 horas foi consumido o que era previsto para 30 dias”, explica o prefeito.
Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, cinco pacientes foram transferidos para Santa Casa da cidade e outros 10 para hospital em Assis. Ainda de acordo com a pasta, não chegou a faltar oxigênio, mas ao analisar a demanda e o estoque dos cilindros, a transferência dos pacientes foi a forma encontrada para evitar que a unidade ficasse sem o produto.
UPA de Ourinhos recebe pacientes com Covid-19
TV TEM/Reprodução
Para fazer ajuste no atendimento da UPA, que está passando por uma mudança na administração depois que uma nova Organização Social (OS) venceu a licitação no ano passado e irá assumir a gestão da unidade, a transferência desses pacientes deve ser feita nos próximos dias para o hospital de campanha, que funciona em um hotel.
De acordo com a prefeitura, a estrutura do hospital de campanha vai ser ampliada e ele vai passar a funcionar como um serviço de saúde de portas abertas, ou seja, que pode ser procurado diretamente pela população. Atualmente são 50 leitos com respiradores e a intenção da prefeitura é dobrar esse número.
Hospital de campanha funciona em um hotel em Ourinhos
Adolfo Lima/TV TEM
Veja mais notícias do G1 Bauru e Marília
VÍDEOS: Assista às reportagens do cento-oeste paulista

Compartilhar

Deixe uma resposta