BCN 

Pai de irmãos mortos carbonizados em Poá espera que o ex-marido não tenha envolvimento no incêndio: ‘Eu queria muito acreditar que foi só um acidente’

Compartilhar


Leandro José de Faria e Vieira falou em entrevista que gostaria muito que o ex-companheiro Ricardo Reis de Faria e Vieira não estivesse envolvimento no incêndio que matou os três filhos adotivos deles na semana passada. Morte de 3 irmãos em Poá: entenda as investigações
O empresário Leandro José de Faria e Vieira espera pelo resultado da investigação policial para entender o que aconteceu na noite da quarta-feira (17), em Poá, quando os três filhos morreram carbonizados. Eles estavam na casa do outro pai, Ricardo Reis de Faria e Vieira, que foi preso temporariamente no mesmo dia.
Três irmãos morrem após quarto em que dormiam pegar fogo em Poá
Polícia faz nova perícia na casa em que três crianças morreram em incêndio em Poá; um dos objetivos é achar chave que trancou quarto
O que se sabe sobre e o que ainda falta ser esclarecido no caso dos três irmãos mortos carbonizados em Poá
“Eu quero saber a verdade. Por que em um dia em perdi os meus três filhos? Eu queria muito acreditar que foi só um acidente. Que nenhum ser humano ou o pai dos meus filhos pudesse fazer alguma coisa. Eu preciso muito que a perícia resolva este caso. Não vai acalmar o que eu sinto, mas ao menos eu vou saber o que aconteceu”, diz Leandro.
Ricardo e Leandro haviam se divorciado recentemente e estavam com a guarda compartilhada dos três filhos. No dia do incêndio, eles estavam com Ricardo. A polícia encontrou inconsistências no depoimento dele. Ele foi preso temporariamente.
Ainda bastante abalado com a morte dos filhos, Leandro recebeu a reportagem do Diário TV, nesta segunda-feira (22), e falou sobre o caso, em um escritório de advocacia em Poá. Ele contou estava o relacionamento com o ex-marido.
“Nós vivemos 15 anos juntos. Conquistamos várias coisas nesse período. Inclusive a adoção, que foi um marco maravilhoso. Em novembro, decidimos que a nossa relação chegava ao fim. As desavenças que nós tínhamos eu consigo normal. A iniciativa do término foi minha. O Ricardo queria muito que a gente voltasse, mas eu não queria”, conta.
Pai de crianças queimadas em Poá fala pela primeira vez sobre o caso
Na noite da última quarta-feira, ele diz que estava em seu apartamento em Mogi das Cruzes quando recebeu uma ligação de Ricardo, às 5h, dizendo que a casa estava pegando fogo.
“Eu perguntei do nosso filho menor, porque ele tinha só dois anos. Ele disse que a nossa filha estava triste e queria dormir com o nosso filho. Eu desliguei a ligação, liguei para os bombeiros, troquei de roupa e vim. Durante o caminho, um policial chegou a falar comigo. ‘Leandro, eu preciso saber se as crianças estão com você?’. E eu disse que elas não estavam comigo”, diz.
O empresário conta ainda que, quando chegou ao local, Ricardo também lhe perguntava se as crianças estavam com ele. “Eu pensei que era um estado de devaneio. Eu não sei o que pode ter passado na cabeça dele”, diz.
Três irmãos morrem após quarto em que dormiam pegar fogo em Poá
Cristiane Aparecida Athos/Arquivo Pessoal
Após a separação do casal, Leandro diz que eles decidiram pela guarda compartilhada dos filhos.
“Meus filhos eram normais. Inclusive nas minhas últimas publicações eles estavam fazendo atividades da escola, cantando, brincando. Qualquer pessoa que nos conhece sabem que eram crianças educadíssimas, bem cuidadas, felizes”, ressalta.
Em 2019, a família chegou a dar entrevista à TV Diário para falar da adoção de crianças por casais homoafetivos. Na época, a filha mais velha expressou sua felicidade com os pais. “Não tem família certa ou errada. O importante é o amor”, disse a menina
O caso
A Polícia Civil divulgou que Ricardo contou ter acordado na madrugada de quarta-feira com o cheiro de fumaça e tentou arrombar o quarto dos filhos, que estava trancado. Além disso, havia grades na janela. Como não conseguiu, foi até a delegacia que fica a poucos metros de distância pedir ajuda.
“Ele veio pedir socorro na delegacia, porque as crianças estavam trancadas lá e ele não conseguia arrombar a porta. O policial civil foi até a casa e arrombou a porta. Em razão das chamas, não conseguiu avançar até o quarto, ingressar no quarto”, detalhou o delegado Eliardo Jordão.
Apesar do pai ter afirmado que acordou com o cheiro, uma testemunha disse aos policiais que escutou uma voz pedindo ajuda.
O corpo de Fernanda, de 14 anos, foi encontrado no banheiro. O irmão, Lorenzo, de 2 anos, estava no centro do quarto das crianças. Já o corpo de Gabriel, de 9 anos, estava próximo a uma janela. Leandro José Reis de Farias e Vieira chegou ao local pela manhã e ficou desolado com o que encontrou.
Assista a mais notícias do Alto Tietê

Compartilhar

You May Also Like

Deixe uma resposta