Zé Geraldo se confirma 'roqueiro da roça' em álbum autorreferente

Foto: Paulo Higa / Divulgação

Aos 75 anos, artista mineiro volta ao disco com repertório inédito e com fidelidade à própria ideologia musical e social.

O lançamento do 17º álbum solo de Zé Geraldo, Hey, Zé!, celebra os 75 anos completados por esse cantor, compositor e músico mineiro no dia 9 deste mês de dezembro de 2019.

De certa forma, o álbum – editado em CD pelo selo Sol do Meio Dia com distribuição da gravadora Kuarup – também celebra os 40 anos de visibilidade alcançada pelo artista no universo pop brasileiro com som que combina rock, folk e country. Mistura que valeu ao cantor epítetos como Roqueiro da roça, reiterado pelo artista no título de uma das 11 músicas do álbum Hey, Zé!.

Música da lavra do próprio Zé, Roqueiro da roça é folk rock rural em que Zé Geraldo se vangloria do estilo que o projetou há quatro décadas. Sim, foi em 1979 que Zé Geraldo começou a decolar na carreira musical com a gravação da canção Cidadão (Lúcio Barbosa), destaque do repertório de Terceiro mundo (1979), primeiro álbum solo do artista.

Capa do álbum 'Hey, Zé!', do cantor Zé Geraldo — Foto: Mônica Giacomini
Capa do álbum ‘Hey, Zé!’, do cantor Zé Geraldo — Foto: Mônica Giacomini

Nascido José Geraldo Juste em dezembro de 1944, o cantor já estava em cena ao longo da década de 1970 com o nome artístico de ZeGê. Mas foi com o álbum Terceiro mundo que de fato iniciou a pavimentação de estrada bem-sucedida, trilhada com um pé no mato e outro no rock, como reafirma em verso do autobiográfico rock Hippie véio sonhador, autorretrato do artista na maturidade esboçado no álbum Hey, Zé!.

Entre o romantismo da balada autoral Do outro lado da montanha e a crítica social de Enquanto há tempo (Bruno Caliman), faixa na qual Zé Geraldo tenta emular o molde do cancioneiro de Bob Dylan, o cantor pisa no terreno folk de O chão do nosso chão – composição inédita de Renato Teixeira – com o toque do grupo Folk na Kombi.

Zé Geraldo — Foto: Paulo Higa / Divulgação
Zé Geraldo — Foto: Paulo Higa / Divulgação

Disco pontuado por músicas autorreferentes como A canção que vem do céu, na qual Zé Geraldo saúda a chegada do neto Gael, Hey Zé! traça perfil generoso do artista nos versos de Zé Geraldo (O poeta do bem), composição de Chico Teixeira e João Carreiro que fecha o álbum em afetuoso tom folk caipira nas vozes dos autores.

A abertura do disco é com versão em português de Hey Joe (Bill Roberts, 1962), popularizada na gravação de 1967 feita por The Jimi Hendrix Experience. Intitulada Hey, Zé! e escrita pelo próprio Zé Geraldo, a versão de Hey Joe fala a língua tão roqueira quanto caipira deste artista que se conserva fiel à própria ideologia musical e social, mostrando vitalidade neste 17º álbum solo. Fonte: G1

You May Also Like

Deixe uma resposta

Follow by Email
Instagram