Vídeo mostra homem sendo torturado em supermercado de São Paulo

Foto: Reprodução

Vídeo que circula nas redes sociais mostra três seguranças do supermercado Extra agredindo homem com arma de choque elétrico. Empresa demitiu chefe da segurança

A Polícia Civil de São Paulo investiga mais um caso de tortura ocorrido em um supermercado do estado. Um vídeo que circula nas redes sociais mostra ao menos três seguranças do supermercado Extra agredindo um homem com um cabo de vassoura e uma arma de choque elétrico. A vítima teria tentado furtar um pedaço de carne.

Nas imagens, que o Correio optou por não reproduzir, o homem aparece sentado no chão, amordaçado e amarrado, com as calças abaixadas. Um dos seguranças questiona se ele vai voltar lá para “encher o saco”. Em seguida, obriga a vítima a estender a mão e lhe aplica choque com uma taser. As agressões continuam com o que parece ser um cabo de vassoura. A pessoa agredida chora e treme bastante.

Em nota, o supermercado Extra diz que tomou conhecimento dos fatos do vídeo no último dia 12 e que imediatamente iniciou uma apuração interna para apurar o ocorrido e tomar as providências necessárias. “A rede lamenta profundamente que tal comportamento possa ter ocorrido em uma de suas unidades, uma vez que proíbe o uso de qualquer tipo de violência, por meio de suas políticas internas”, afirma o texto.

De acordo com a empresa, o início das investigações apontam que o caso ocorreu no início de 2018, na unidade do Morumbi (SP). A partir das apurações iniciais, o Extra afirma que decidiu demitir o responsável pela área de prevenção da loja. “E, ainda, para que esse processo seja conduzido de maneira isenta, a empresa e os seguranças alocados naquela loja foram imediatamente afastados da unidade, até que a investigação interna seja concluída”, prossegue o comunicado.

Segundo a Polícia Civil, o 89º DP instaurou inquérito policial para apurar os fatos e analisar as imagens. “Representantes da empresa de segurança e do supermercado serão ouvidos. Até o momento, não foram localizados registros de lesão corporal no local e período citados”, diz, em nota, a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo.

Outro caso

No início do mês, dois seguranças acusados de torturar um adolescente em supermercado na Zona Sul de São Paulo tiveram a prisão decretada pela Justiça de São Paulo.

Nas imagens que motivaram a instalação do inquérito, um rapaz de 17 anos aparece sendo chicoteado nu e amordaçado por seguranças do mercado Ricoy, na Vila Joaniza. Ele teria furtado um chocolate.

A Polícia Civil de São Paulo investiga mais um caso de tortura ocorrido em um supermercado do estado. Um vídeo que circula nas redes sociais mostra ao menos três seguranças do supermercado Extra agredindo um homem com um cabo de vassoura e uma arma de choque elétrico. A vítima teria tentado furtar um pedaço de carne.

Fonte: Youtube

Nas imagens, que o Correio optou por não reproduzir, o homem aparece sentado no chão, amordaçado e amarrado, com as calças abaixadas. Um dos seguranças questiona se ele vai voltar lá para “encher o saco”. Em seguida, obriga a vítima a estender a mão e lhe aplica choque com uma taser. As agressões continuam com o que parece ser um cabo de vassoura. A pessoa agredida chora e treme bastante.

Em nota, o supermercado Extra diz que tomou conhecimento dos fatos do vídeo no último dia 12 e que imediatamente iniciou uma apuração interna para apurar o ocorrido e tomar as providências necessárias. “A rede lamenta profundamente que tal comportamento possa ter ocorrido em uma de suas unidades, uma vez que proíbe o uso de qualquer tipo de violência, por meio de suas políticas internas”, afirma o texto.


De acordo com a empresa, o início das investigações apontam que o caso ocorreu no início de 2018, na unidade do Morumbi (SP). A partir das apurações iniciais, o Extra afirma que decidiu demitir o responsável pela área de prevenção da loja. “E, ainda, para que esse processo seja conduzido de maneira isenta, a empresa e os seguranças alocados naquela loja foram imediatamente afastados da unidade, até que a investigação interna seja concluída”, prossegue o comunicado.

Segundo a Polícia Civil, o 89º DP instaurou inquérito policial para apurar os fatos e analisar as imagens. “Representantes da empresa de segurança e do supermercado serão ouvidos. Até o momento, não foram localizados registros de lesão corporal no local e período citados”, diz, em nota, a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo.

Outro caso

No início do mês, dois seguranças acusados de torturar um adolescente em supermercado na Zona Sul de São Paulo tiveram a prisão decretada pela Justiça de São Paulo.

Nas imagens que motivaram a instalação do inquérito, um rapaz de 17 anos aparece sendo chicoteado nu e amordaçado por seguranças do mercado Ricoy, na Vila Joaniza. Ele teria furtado um chocolate.

Nas imagens que motivaram a instalação do inquérito, um rapaz de 17 anos aparece sendo chicoteado nu e amordaçado por seguranças do mercado Ricoy, na Vila Joaniza. Ele teria furtado um chocolate. Fonte: Correio Braziliense

You May Also Like

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *