Mulheres no Rap: elas estão ‘no corre’ e conquistaram espaço

As rappers Setafanie, Bivolt e Tássia Reis – Foto: Reprodução/Instagram/Luciana Aith

Cena musical tem sido tomada por mulheres e, seja como cantoras ou empresárias, elas mostram que chegaram para ficar

Se, ainda hoje, você pensa em “Rap feminino” quando ouve um som produzido por mulheres e chama apenas de “Rap” quando é cantado por um homem, a notícia é que o estilo musical não tem gênero. E, embora seja uma cena predominantemente masculina, elas têm cada vez mais conquistado espaços, seja como cantoras ou empresárias.

A rapper Stefanie é uma das revelações do ritmo e, além da carreira solo, também integra o grupo Rimas & Melodias, formado apenas por mulheres. “O hip hop é uma cultura marginal, criada por negros e pessoas periféricas. Se o artista já é desvalorizado normalmente, imagina comigo: uma mulher, negra, que tem filhos para criar e que decide viver do rap”, conta a cantora.

“Os investimentos são menores em produções de mulheres”Stefanie

Para alguns, parece inacreditável que mulheres saibam rimar ou gerenciar a carreira musical de alguém. “Eles desacreditam da sua capacidade, do seu talento e da sua força, por isso os investimentos acabam se tornando menores em produções de mulheres”, afirma Stefanie.

Com Luísa Viscardi, uma das fundadoras da produtora JAMBOX e empresária da rapper, as coisas não foram muito diferentes.

“Já houve situações desagradáveis em que homens se acharam no direito de julgar as minhas escolhas e a minha maneira de conduzir a minha empresa, que desacreditaram de novos desafios que me propus a aprender e fazer”, conta.

As minas estão no corre

As barreiras não brecaram o talento dessas mulheres e a volta por cima vem com rimas fortes que exaltam suas suas histórias, vivências e, na maioria, falam da dor de ser uma mulher negra no Brasil. “O rap me trouxe consciência e o orgulho do que sou. Se eu não tivesse conhecido essa cultura, que pra mim é tão mágica e genuína, minha vida seria totalmente diferente”, afirma Stefanie. “A maneira que encontrei de me blindar é estudando”Luísa Viscardi

Luísa também atua como DJ e é formada em moda
Luísa também atua como DJ e é formada em moda – Foto:
Reprodução/Facebook

Como empresária, Luísa se empenha para fazer a mudança no cenário musical e investe pesado em mostrar na prática que não precisa da aprovação dos outros para seguir seus sonhos. “A maneira que eu encontrei de me blindar é estudando e planejando a carreira das minhas artistas, apoiando e contratando as mulheres”, garante. Fonte: R7

You May Also Like

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *