Wanderléa e gravadora desfazem vínculo por falta de ‘concepção comum’ sobre disco

 Foto: Robert Schwenck

Cantora alega falta de identificação com o repertório sugerido por Marcus Preto.

Wanderléa está há 30 anos sem lançar disco com músicas inéditas — Foto: Robert Schwenck / Divulgação
Wanderléa está há 30 anos sem lançar disco com músicas inéditas — Foto: Robert Schwenck /Divulgação

Wanderléa está há 30 anos sem lançar álbum com músicas inéditas. O último, batizado com o nome da cantora, saiu em 1989. Esse hiato seria quebrado com o disco idealizado por Marcus Preto em 2016.

Com músicas inéditas de Arnaldo Antunes, Céu, Erasmo Carlos, Guilherme Arantes, Jorge Mautner e Nando Reis, entre outros compositores, esse disco começou a sair do plano das ideias no ano passado quando Wanderléa assinou contrato com a gravadora Deck.

Só que, na hora de concretizar o álbum, a artista recusou o repertório alinhavado por Marcus Preto e, em um segundo momento, não chegou a um acordo com a diretoria da Deck sobre o conceito e o repertório do disco.

Artista e gravadora optaram então por desfazer o contrato assinado em 2018. Eis o diplomático depoimento de João Augusto, diretor da Deck, sobre a mudança de planos em relação ao disco de Wanderléa:

“Gravar um álbum com a Wanderléa é um sonho antigo da turma da Deck, por tudo de bom que ela representa, pela sua história e pelo inquestionável talento. O projeto nasceu de ideias de repertório que já existiam tanto da parte dela como da nossa. Entretanto, no caminho, a maior parte dessas ideias deixou de fazer sentido. Por isso, por não chegarmos a uma concepção comum sobre o projeto, decidimos em conjunto e mantidos todo o carinho e respeito recíprocos, não seguir com a parceria para a sua realização. Esperamos, na verdade, que esse seja apenas um adiamento e que, em algum momento, retomemos os contatos para produzir uma obra bem bacana com Wanderléa”.

Wanderléa confirma a desistência do projeto fonográfico e explica a razão, no mesmo tom diplomático de João Augusto:

“Eu não me identifiquei com a maioria das canções, embora fossem todas muito boas. São canções maravilhosas. O Marcus (Preto) teve o maior carinho. Como eles queriam um álbum completo, com 12 músicas, eu achei melhor desistir do projeto. Não me interessava gravar um disco somente por gravar por ser de músicas inéditas. Eu teria que me identificar mais com as canções. O importante, para mim, é ter um repertório bom com o qual eu me identifique e possa levá-lo para o palco depois. Por isso, achei melhor esperar mais um pouco. Logo, logo, a gente resolve fazer um disco bonito”. Fonte: G1

You May Also Like

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *